Livia Paola Gorresio

Livia Paola Gorresio
*São Paulo 1982
vive e trabalha em São Paulo, Brasil

Livia Paola Gorresio (1982) atua como artista, professora e pesquisadora. Seu interesse se volta ao potencial poético da cor, tomando-o como ponto de partida para o desenvolvimento de seu trabalho - que compreende desenhos, colagens, pinturas, objetos interativos e instalações. O intuito principal da artista é despertar o espectador para uma experiência/pensamento/consciência sobre a natureza das cores.

A artista, formada em arquitetura e urbanismo pela Fundação Armando Álvares Penteado, começou a criar suas obras a partir de 2008, quando fez o curso “Fine Arts” no Chelsea College of Art and Design, em Londres. Desde então, participou de exposições em instituições internacionais e nacionais como “Programa de Individuais Simultâneas”, Museu de Arte de Goiânia, Goiás; “XI Bienal do Recôncavo”, Centro Cultural Dannemann, São Felix; “Experimento 1”, Jardim do Hermes, São Paulo; “Arte Pará 30”, Museu Histórico do Estado do Pará, Palácio Lauro Sodré, Belém; “Summer Show”, Royal Academy of Arts e “Wedding Reception”, Wimbledon Space, Londres, Reino Unido, entre outros.

Veja mais no site da artista:
www.liviapaolagorresio.net

Formação
2017_2021:Doutorado: Poéticas Visuais, ECA-USP, São Paulo, BR.
2009_2010:Mestrado: Fine Arts. Chelsea College of Art and Design, RU.
2008_2009:Pós Graduação: Fine Arts. Chelsea College of Art and Design, RU.
2001_2006:Graduação: Arquitetura e Urbanismo. Fundação Armando Alvares Penteado, BR.

Docência
2018-Curso livre de Cor e Pintura no SESC 24 de Maio, São Paulo.
2016-Curso livre de Aquarela no SESC Carmo, São Paulo.
2016-Curso livre de Aquarela na Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo.
2013-Curso livre de Pintura e Colagem na Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo.

Exposições individuais
(Programado para Abril de 2020 - Projeto Zip’UP - Galeria Zipper, São Paulo, BR.)
2018-Mostra, Escritório de Arte - AM Galeria, São Paulo, BR.
2013-Duração Permanente, AM Galeria de Arte, Belo Horizonte, BR.
2012-Programa de Exposição Individuais Simultâneas, MAG - Museu de Arte de Goiânia, BR.

Exposições coletivas
2019-Orbital, Fundação Lewis, São Francisco, EUA.
2018-Arte Formatto, Espaço Expositivo Cidade Jardim, São Paulo, BR.
2018-Orbital, Fundação Lewis, Singapura.
2018-14º SINAI, Casa da Cultura Dide Brandão, Itajaí, BR.
2017-Orbital, Fundação Lewis, Antuérpia, Boston & Milão.
2016-Gran Finale, Ateliê 397, São Paulo, BR.
2015-Ressonhar Mundos, Paço das Artes, São Paulo, BR.
2014-46º SAC - Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba, Piracicaba, BR.
2014-Papel 02, AM Galeria de Arte, Belo Horizonte, BR.
2014-39º SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional Contemporâneo, Ribeirão Preto, BR.
2014-Chelsea Salon Series, CONS Project, Londres, RU.
2014-32º SAPLARC - Salão de Artes Plásticas de Rio Claro Contemporâneo, Rio Claro, BR.
2014-Papel 01, AM Galeria de Arte, Belo Horizonte, BR.
2012-XI Bienal do Recôncavo, Centro Cultural Dannemann, São Felix, BR.
2012-Paisagens, AM Galeria Horizonte, São Paulo, BR.
2012-Programa de Exposições, Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel Gismondi, BR.
2011-Experimento 1, Jardim do Hermes, São Paulo, BR.
2011-30º Arte Pará, Museu Histórico do Estado do Pará, Palácio Lauro Sodré, Belém, BR.
2010-MA Show, Chelsea College of Art and Design, Londres, RU.
2010-Chelsea Group Salon, Woodmill, Londres, RU.
2010-3D Salon, Flat Time House, Londres, RU.
2010-The Tent, Triangle Space, Londres, RU.
2010-Condensation, Hanbury Hall, Londres, RU.
2010-Group Salon, Auto-Italia, Londres, RU.
2009-Group Salon, Auto-Italia, Londres, RU.
2009-Group Salon, South London Gallery, Londres, RU.
2009-Summer Show, Royal Academy of Arts, Londres, RU.
2009-Saludos Amigos, Outside World Gallery, Londres, RU.
2009-Invisible Means of Support, Club Row, Londres, RU.
2009-Wedding Reception, Wimbledon Space, Londres, RU.
2009-Sold Out, Triangle Space, Londres, RU.
2008-Parinaro, Chelsea College of Art and Design, Londres, RU.

 

Texto de Emmanuelle Grossi / 2013
Duração Permanente . AM Galeria . Belo Horizonte . BR

***

“O quadro não é simplesmente sua cor, sua forma ou seu sentido, mas é uma idéia imbuída em uma entidade cujo significado transcende qualquer das suas partes.” Mark Rothko [Dvinsky, Rússia, 25 de setembro de 1903 - NYC, 25 de fevereiro de 1970]

Duração Permanente é composta por sete obras, construídas com lápis, madeira, nanquim, tinta acrílica e aço inox. A exposição mostra a produção de um conjunto que resulta das reflexões sobre a forma.“Estas reflexões encontram paralelos na Teoria de Aristóteles, que a define como idéia, uma espécie única, intuitiva, em uma multiplicidade de objetos”, destaca a artista. A exposição se divide em dois momentos: a paisagem e a sala azul. Na primeira, três trabalhos: “Monte amarelo”,“Acervo” e “Suporte” trazem a paisagem. Em contraposição à racionalidade, o incalculável, a abstração, o pensamento transcendental e espiritual. “Monte Amarelo” no plano do chão, um monte de feno, um monte de pedras, de metais, um monte de ouro. Pedaços repetidos de madeiras pintadas a mão pela artista na cor amarela espalhados no piso da galeria mostram a fragilidade e organicidade da matéria ou daquilo que a madeira pode representar. Ela nunca será montada da mesma maneira duas vezes. Será sempre diferente, como a natureza, mas o que resiste é a ideia da obra, a intenção. “Acervo”, um móvel em aço inox com chapas de madeira coloridas, de cores quentes. Uma espécie de mostruário de cores cuja ordem pode ser alterada e que correm de um lado para o outro. Ao circular a obra, surge um ponto-cego, onde somente linhas são vistas, a cor desaparece e se vê o que está do outro lado do objeto-corpo. Um corpo, uma tentativa de organização de uma cartela pessoal da artista que muda de acordo com o ponto de vista. O corpo-vivo do público que mexe com outro objeto-corpo-acervo.“Suporte” é uma janela. Uma chapa de compensado naval de cedro pintada de verde exaustivamente pela artista até criar uma superfície o mais lisa possível. Essa chapa corre entre dois perfis de aço inox fixados na parece. Um monocromo, uma paisagem silenciosa, contemplação. Na segunda parte passamos à sala azul, onde três trabalhos conversam entre si: as três chapas de compensado de cedro pintadas de azul [Área Azul], duas balanças em aço inox e madeira [Balança PP 6] e um pequeno desenho de um portal azul [Physis]. As duas balanças se equilibram no espaço e convidam o espectador a desequilibra-las, são medidas. Mas de quê? Do corpo do outro, do desejo, da vontade. As três grandes chapas azuis, assim como o monte amarelo, podem ser montadas livremente e é visível a vida do material, que se curva diante da variação de temperatura. É madeira, elemento estrutural de chassis para telas, de telhados, de casas, de camas, de paredes. O desenho do portal azul,“Physis”, significa "natureza", a criação. E o azul, cor fria que simboliza o céu, o mar, o infinito, que dilui o limite da forma e que sugere tranquilidade, harmonia e contemplação. O azul é mental. Livia Paola experimenta a matéria e a forma e acredita que tudo é geometria, o átomo, o fractal. Mas sua experimentação que por vezes parece fria e matemática segue um princípio intuitivo e sentimental, uma tentativade organização do mundo, das experiências humanas, da história da arte e da pintura de paisagem segunda a sua ótica, o nascimento da abstração, do espiritual que há por trás da geometria e da simplificação e redução da forma. Não é minimalista e racional, é emocional. As obras dessa exposição são livres, abertas, são mais que formas, pois mesmo que se deteriorem com o tempo, são eternas, têm duração permanente e podem viver no plano da idéia, na memória de cada um.