Leonora Weissmann

Leonora Weissmann atua profissionalmente como artista plástica, designer e cantora. É graduada em Pintura e Gravura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, onde também possui título de Mestre em Artes, com orientação do Prof. Dr. Marcelo Kraiser.

 Foi professora de Pintura na Escola de Belas Artes da UFMG  e da Escola Guignard em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Trabalha profissionalmente com a Galeria AM em Belo Horizonte e São Paulo desde 2002.
Participou de diversas exposições coletivas e individuais pelo Brasil e exterior, com projetos que envolvem de maneira ampla a imagem, nas áreas das artes plásticas e artes gráficas, atuando principalmente com a pintura. Produziu cenários para peças teatrais, shows musicais e, recentemente, para filme de animação do Grupo Giramundo. Produziu artes e encartes de cds, como o Balangandãs, da cantora Ná Ozzetti, dentre diversos outros.

 Através do CEIA (Centro de Experimentação e Informação em Arte), participou da oficina de pintura Caravane d’artistes 2 no Centre Soleil d”Afrique, em Bamako, Mali, na África. Na residência além da oficina da técnica Bogolan, participou da exposição Bogolan photo, evento paralelo ao Fórum Social Mundial – “Um mundo melhor é possível”.

Foi selecionada e premiada por projetos como o Fiat Mostra Brasil, Prêmio Chamex de Arte Jovem, Salão da Juventude de Ribeirão Preto e, como cantora, no Festival da Canção de Tatuí e Cantoras Daqui, promovido pelo BDMG Cultural.

 Integra os grupos musicais Misturada Orquestra e Quebrapedra, com os quais vem realizando shows diversos. Já participou como intérprete de diversos cd’s de compositores como Renato Motha, Flávio Henrique, Rafael Martini, Mestre Jonas,  Antonio Loureiro, Dudu Nicácio e Alexandre Andrés.

 Atualmente possui atelier em Belo Horizonte.

 

Prêmios

2006
São Paulo –SP - Premiada pelo Fiat Mostra Brasil .
Selecionada para o projeto “Cumida de buteco – Arte no Banheiro- 2006”.
São Paulo – SP: Mapeada pelo projeto: Rumos Itaú Cultural .
Minas Gerais – Belo Horizonte :Selecionada com o Grupo musical Quebrapedra para o projeto Música Independente promovido pela SIM e Fundação Clóvis Salgado. Dois shows no Palácio das Artes e um no Teatro de Nova Lima.

2005
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no concurso “Cantoras daqui” promovido pelo BDMG Cultural.    Show com a cantora Patrícia Lobato na Praça da Liberdade.
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no concurso “Arte no ônibus”.
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no Projeto “Conexão Telemig Celular” de música, com o grupo Quebrapedra.
São Paulo - Tatuí: Premiada, em 5° lugar, no Festival da canção de Tatuí, com a música “Mana” de Renato Motha.
São Paulo - São Paulo – Mapeada para o Projeto Rumos Itaú Cultural Edição 2005.

2004
São Paulo - Ribeirão Preto: Primeiro prêmio no Salão de Arte da Juventude com a pintura: Retrato de Selma Weissmann. Exposição individual em 2005.
São Paulo – São Paulo: Selecionada para o Prêmio Chamex de Arte jovem. Exposição itinerante e participação no livro do instituto Tomie Ohtake.

2001
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada com bolsa pelo salão do 34o Festival de Inverno da UFMG. Exposição coletiva no espaço cultural do Conservatório de Música da UFMG e bolsa p/ o 35°.

2000
Minas Gerais - Belo Horizonte: Trabalho "Cavaletes" premiado na exposição do 32o festival de inverno da UFMG.-Bolsa p/ o 33o Festival de Inverno da UFMG.

Cursos e festivais

2007
Minas Gerais – Diamantina: Oficina de Técnica Vocal com a Cantora Na Ozzetti, no 39° Festival de Inverno da UFMG

2006
Minas Gerais – Diamantina: Professora da Oficina de Iniciação à pintura : “Retratos” no 38° Festival de Inverno da UFMG.
África – Malí – Bamako: Participação do workshop “Caravane d’artistes 2” sobre a técnica Bogolan desenvolvida em Malí, ministrada pela artista Nenê Thiam.

2005
Minas Gerais – Diamantina: Participação no 37° festival de Inverno da UFMG em Diamantina. Curso, “Paisagem e memória”, ministrado pelo artista Francisco Magalhães.

2004
Minas Gerais – Diamantina: Participação no 36o festival de inverno da UFMG em Diamantina. Curso de Pintura ministrado pelo artista plástico Marco Paulo Rolla.

2002
Minas Gerais – Diamantina: Participação do 34o Festival de Inverno da UFMG, curso de “experimentação do desenho” com o professor Marcelo Kraiser

2001
Minas Gerais – Diamantina: Participação do 33o Festival de Inverno da UFMG, no curso de pintura, ministrado pelo artista plástico Paulo Whitaker

2000
Minas Gerais – Diamantina: Participação do 32o Festival de Inverno de Diamantina, da UFMG na Oficina Experimental - Modulo II - “Exercício tridimensional” ministrada pelo professor Paulo Laender.

1996
Minas Gerais - Ouro Preto: Participação da Oficina de pintura “A representação da figura humana” com o professor Mario Zavagli no 30o Festival de Inverno da UFMG.

Formação acadêmica

2009
Conclusão e defesa de dissertação de Mestrado. Obtenção de titulo de Mestra em Artes pela UFMG. Orientador: Dr. Marcelo Kraiser.

2007
Conclusão da segunda habilitação em Gravura, na UFMG.
Ingressa no mestrado em artes visuais, classificada em segundo lugar.

2006
Contratada como professora Substituta do Departamento de Artes Plásticas da UFMG nas disciplinas de Bidimensionalidade II , Atelier II e Aquarela.

2005
UFMG: Bolsista selecionada pelo NAPQ da Escola de Belas Artes, projeto vinculado ao Grupo de pesquisa NECI. Orientadora: Dayse Turrer. Integrante do Gurpo GRAMMA.

2004
UFMG: Belo horizonte: Formada no Curso: Bacharelado em Pintura, pela escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais.
UFMG: Selecionada para o PID – Programa de aprimoramento discente - da Escola de Belas Artes da UFMG, nas
disciplinas de Ilustração e Desenho III.

2001
UFMG: Aprovada na prova de seleção para o PID, Projeto de iniciação à docência, da Escola de Belas Artes durante o período do ano de 2001. Disciplinas de perspectiva e desenho II.
FUMEC: Monitora do curso de Design da Faculdade “FUMEC”.
UFMG: Selecionada para o PAD – Programa de aprimoramento discente” da Escola de Belas Artes da UFMG durante o segundo semestre de 2003 , sob a coordenação e orientação dos professores e artistas Marcos Hill, Vlad Eugen Poenaru e Fernando Mencarelli.

2000
Inicia o curso de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais

 

Trabalhos extras

2012
Realização da arte do encarte do disco Estação da Sé de Caê Rolfsen
 
2011
Realização da arte gráfica e visual do encarte do disco Ventania no Cerrado de Mauricio Ribeiro
Realização da arte gráfica e visual do encarte do Suítes de Bach de Dimos Goudaroulis
Realização da arte gráfica e visual do encarte do disco Mundo ao Revés do Grupo Água Viva
Realização da arte gráfica e visual do encarte do Entrelaço de Ana Luiza e Luis Felipe Gama, com Nathan Marques.

2010
Realização da arte gráfica e visual do encarte do disco Sambêro de Mestre Jonas
Realização da arte gráfica e visual do encarte do disco Antonio Loureiro

2009
Realização da arte e do encarte do disco do grupo Voz&Cia, com imagens da artista Selma Weissmann.
Pintura e desenhos da capa e da arte do encarte do disco Balangandãs da cantora Na Ozzetti, realizado pela mcd.
Realização da arte gráfica do encarte do disco do grupo RAMO, com imagens do artista Humberto Guimarães.

2008
Produção do cenário do curta de animação “Teatro do Mundo” idealizado e produzido pelo Grupo Giramundo
Lançamento do primeiro CD do grupo Quebrapedra; com 12 músicas, sendo 5 delas de autoria de Leonora Weissmann.
Lançamento no projeto Festa da Música na Praça do Papa e na Biblioteca Luiz de Bessa.

2007
Produção do cenário da peça “A Raiz do Grito”, premiada no Festival de Cenas Curtas do Galpão cine Horto.
Produção do cenário da peça “O pássaro poente” da Turma de Formandos do TU, direção de Fernando Mencarelli.

2006
Convidada para o Catálogo de jovens artistas realizado pela C/Arte.

2005
Produção do encarte, cenário e material de divulgação nacional do CD “Leopoldina e Dudu Nicácio”.
Gravação e arranjo da faixa “Trânsito” com a banda Quebrapedra.
Contratada como professora de desenho de modelo vivo pela Fundação de Artes de Ouro Preto, FAOP.
Direção, concepção e criação de imagens, juntamente com o vídeo-maker Rafael Fares, dos clipes para o show de Kristoff Silva, intitulado “Em pé no porto”, dentro do Projeto “Música Independente”. Apresentações na Sala João Ceschiatti do Palácio das Artes.

2004
Contratada profissionalmente pela AM Galeria de Arte, em Belo Horizonte e Galeria Horizonte em São Paulo.

1996
Monitoria no curso do atelier Selma Weissmann em Ipatinga através da APROC: associação pró-cultura de Ipatinga, 17 e 18 de junho.
Professora substituta de educação artística na Escola Albert Einstein.                                                                                                                                        
Professora do curso promovido pela Secretaria Municipal de Administração, através do Vetor Arte e cultura do Departamento de Recursos Humanos da Prefeitura de MG. Oficina de Pintura em acrílica.

Exposições individuais

2010
São Paulo – São Paulo – Galeria Horizonte, Espaço Sérgio Carybe. Curadoria de Claudia Renault e texto de Agnaldo Farias. Catálogo.

2007
Minas Gerais – Belo Horizonte – Intervenção no projeto “sobre mesa de queijos”  idealizado por Francisco Magalhães , no Museu Mineiro.
Minas Gerais – Belo Horizonte – AM Galeria de Arte

2006
Minas Gerais – Belo Horizonte : Intervenção no espaço Usiminas Belas Artes, projeto Fotograma – Exposição Silêncio.

2005
São Paulo - Ribeirão Preto: Exposição individual (prêmio) no Sesc Ribeirão Preto. Apresentação de seminário e oficina à população da cidade.
Minas Gerais - Belo Horizonte: IAB – Instituto dos Arquitetos do Brasil. Exposição Corpos paisagem e seus jardins.

2003
Minas Gerais -Belo Horizonte: Exposição individual no Espaço Cultural BDMG – Banco do Desenvolvimento de Minas Gerais.

1996
Minas Gerais - Belo Horizonte: Espaço Casa dos Contos, com curadoria de Palhano Júnior, 1o de Março a 3 de Abril

 

Exposições coletivas

2011
São Paulo – São Paulo – Galeria AM Horizonte. Mostra PERFIL

2010
Minas Gerais – Tiradentes: Segundo Festival de artes plásticas de Tiradentes.

2009
Itália - Milão : O Linha: Grupo de Pesquisa entre o Desenho e a Palavra, vinculado ao Departamento de Desenho da Escola de Belas-Artes (EBA), foi convidado para expor seus trabalhos em Milão, na Itália. A mostra contemplará obras sobre papel e será inaugurada em 20 de maio, estendendo-se até 31 do mesmo mês. O convite foi feito pelo Instituto Brasil-Itália de Milão (Ibrit). A entidade conta com o apoio do Consulado do Brasil para promover a cultura brasileira na Itália. A exposição terá o nome de Desenho Brasileiro.A curadoria da mostra é do vice-diretor da Escola Guignard, Sebastião Miguel, e da chefe do Departamento de Desenho da EBA, Maria do Céu Diel de Oliveira, que também é professora coordenadora do Linha. 

2008
Minas Gerais – Belo Horizonte : Palácio das Artes – Ao Mesmo Tempo: Exposição idealizada com a fotógrafa Paula Huven.

2007
Minas Gerias – Itabira: Centro Cultural de Itabira; com Samir Lopes e Rafael Zavagli. Curadoria de Márcio Sampaio.

2006
São Paulo – SP : Exposição Fiat Mostra Brasil no porão da Bienal de São Paulo.
Minas Gerais – Diamantina: Casa da Chica da Silva, exposição Cristais realizada com os artistas professores do 38° Festival de Inverno da UFMG.
Minas Gerais – Belo Horizonte: Palácio das Artes - Pictórica
Minas Gerais - Ouro Preto: Galeria de Arte Nello Nuno / FAOP. Exposição CORPO 7.
África – Malí – Bamako: Caravane d’artistes 2 / Centre Soleil d”Afrique . Exposição Bogolan photo. Evento paralelo ao Fórum Social Mundial – “Um mundo melhor é possível”.

2005
Bahia - São Félix: Selecionada com os trabalhos “Jardins de Casa” para o VII Salão do Recôncavo Baiano. Exposição no período compreendido entre 06 de novembro a 22 de Janeiro de   2005 no Centro Cultural Dannemann. 
São Paulo - Ribeirão Preto: Selecionada para o Salão “Arte da Juventude” promovido pelo Sesc de Ribeirão Preto. 
Minas Gerais - Belo Horizonte: Exposição coletiva com Agnes Farkasvolghy na galeria de arte da Cemig.
França – Paris: Professores e ex-alunos expõem na Embaixada Brasileira em Paris.
Paraná - Curitiba – Nano Exposição. Curadoria de Marco Antônio Portela no Atelier de Eliane Prolik.
São Paulo – Jaboticabal e Franca: “Mostra de arte da Juventude”. Exposição itinerante , prêmio do salão de Ribeirão Preto.

2004
Minas Gerais - Belo Horizonte: Exposição coletiva, “Da casa ao Jardim” com curadoria de Sandra Bianchi na Galeria de arte da Cemig.
Minas Gerais - Belo Horizonte: Exposição “Paisagens plásticas” no espaço da Escola de Música da UFMG, com as artistas Ana Siffert e Denise Mansur, no período de comemoração da Segunda Semana da Música, “Fronteiras, pensar o popular dançar o erudito”.
São Paulo – São Paulo: Selecionada para o Prêmio Chamex de Arte Jovem em São Paulo. Participação com      três obras na exposição coletiva no Instituto Tomie Ohtake e no livro do Instituto.  
Exposição itinerante nos seguintes locais:
Brasília: Teatro Nacional Cláudio Santoro - 3 a 31 de Agosto
Paraná - Curitiba – Memorial da cidade – 2 a 30 de Setembro
Pernambuco - Recife – Poço da Alfândega – 1o a 24 de Outubro
Rio de Janeiro – RJ – MAM – 16 de novembro a 6 /01 de 2005

2003
Minas Gerais - Belo Horizonte: Exposição coletiva, “Cidade interior” com o artista plástico Marcelo Albuquerque na Galeria de Arte da Copasa.  Texto do catálogo de Lúcia Castello Branco.

2001
Minas Gerais - Belo Horizonte: Exposição coletiva no espaço cultural do Conservatório de Música da UFMG.

2000
Minas Gerais - Belo Horizonte: Selecionada para participação na exposição Integrarte 2000 da Escola de Belas Artes no Centro Cultural da UFMG

1999

Minas Gerais - Tiradentes: Coletiva no “Teatro da Vila”, “Fotografias e Pinturas” 
Minas Gerais - Belo Horizonte: Palácio das Artes - Resumo Hoje / “Talentos Emergentes”, com curadoria de Morgan da Motta na Grande Galeria do Palácio das Artes. 
Minas Gerais - Belo Horizonte: Coletiva no espaço cultural da Telemar “Novos Talentos no mercado da arte”

1998

Minas Gerais - Belo Horizonte: Coletiva no Atelier Oficina “A Cor de Minas” no espaço Casa Amarela

1997

Minas Gerais - Belo Horizonte: Projeto Quatro Estações -Mostra coletiva de pinturas com curadoria de Morgan da Motta, crítico de artes plásticas do Jornal Hoje em Dia /Espaço Cultural da Rede Minas.

1995

Minas Gerais - Belo Horizonte: Participação com trabalho selecionado na exposição de presépios da Telemig "Presépios de Minas"

1988

Minas Gerais - Belo Horizonte: Segundo Salão do Candidato, de 1 a 15 de novembro.(Promoção da Fundação Escola Guignard e da Casa dos Contos).

 

Prêmios

2006
São Paulo –SP - Premiada pelo Fiat Mostra Brasil .
Selecionada para o projeto “Cumida de buteco – Arte no Banheiro- 2006”.
São Paulo – SP: Mapeada pelo projeto: Rumos Itaú Cultural .
Minas Gerais – Belo Horizonte :Selecionada com o Grupo musical Quebrapedra para o projeto Música Independente promovido pela SIM e Fundação Clóvis Salgado. Dois shows no Palácio das Artes e um no Teatro de Nova Lima.

2005
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no concurso “Cantoras daqui” promovido pelo BDMG Cultural.    Show com a cantora Patrícia Lobato na Praça da Liberdade.
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no concurso “Arte no ônibus”. 
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada no Projeto “Conexão Telemig Celular” de música, com o grupo Quebrapedra.
São Paulo - Tatuí: Premiada, em 5° lugar, no Festival da canção de Tatuí, com a música “Mana” de Renato Motha.
São Paulo - São Paulo – Mapeada para o Projeto Rumos Itaú Cultural Edição 2005.

2004
São Paulo - Ribeirão Preto: Primeiro prêmio no Salão de Arte da Juventude com a pintura: Retrato de Selma Weissmann. Exposição individual em 2005.
São Paulo – São Paulo: Selecionada para o Prêmio Chamex de Arte jovem. Exposição itinerante e participação no livro do instituto Tomie Ohtake.

2001
Minas Gerais - Belo Horizonte: Premiada com bolsa pelo salão do 34o Festival de Inverno da UFMG. Exposição coletiva no espaço cultural do Conservatório de Música da UFMG e bolsa p/ o 35°.

2000
Minas Gerais - Belo Horizonte: Trabalho "Cavaletes" premiado na exposição do 32o festival de inverno da UFMG.-Bolsa p/ o 33o Festival de Inverno da UFMG.

Agnaldo Farias |2010

Há um frescor pouco comum hoje em dia nessas pinturas da jovem Leonora Weissmann, a Loló, uma curiosidade infatigável por pessoas e paisagens, no mais das vezes representadas com a naturalidade desses registros fotográficos despretensiosos, feitos com a finalidade de capturar uma cena ou um momento singelo e tocante, protagonizados por gente que nos é querida – pai, mãe, crianças, um amigo que se mudou para um sítio - ou por fragmentos da natureza que nos surpreendem pela variedade cromática ou pelo mosaico de formas cambiantes produzidos pela luz solar.
De saída folheamos este catálogo ou visitamos sua exposição, a primeira individual que ela realiza em São Paulo, com um sentimento próximo, a mesma sorte de simpatia que se desprende quando nos detemos num álbum de família que não a nossa ou encontramos dentro de uma gaveta uma coleção de imagens que não nos pertence embora no fundo e estranhamente nos seja bastante familiar. Mas é uma sensação que aflora somente no primeiro contato, quando ainda estamos sob o efeito da desatenção habitual que nos leva a suportar um cotidiano no geral insípido. Pois em seguida vemo-nos repassando essas pinturas uma a uma, intrigados pelo aparente prosaísmo dos motivos representados, percebendo que eles são produzidos com uma qualidade incomum, fundada na bifurcação, no trato equilibrado de dois aspectos: de um lado, os enigmas persistentes e ilimitados da figura humana e da paisagem e, de outro, a defesa da pintura, com seus atributos tão especiais, como meio mais adequado para dar conta deles.
Pessoa e paisagem; pessoas metidas em paisagens; pessoas tratadas como se fossem paisagens; paisagens. Para começar, o que é um rosto senão uma paisagem, especialmente quando apresentado em grandes dimensões, em formato vertical, como um espelho colocado à nossa frente? O rosto, essa fonte inesgotável de mistério, nos é apresentado em versões variadas, consoante os diversos modelos de que a artista se vale: sérios e sorridentes, compenetrados e pensativos ou com o desajeito típico de quem não se sente a vontade posando. Junto com isso vem a cuidados modelação de cada imagem, o evidenciamento de suas depressões e saliências mais ou menos suaves, as áreas sombreadas, o contorno dos cabelos e das sobrancelhas, o desenho escandido da armação dos óculos. Como também nos chama a atenção a geometria espontânea ou organizada dos braços e pernas, o modo
como as duas meninas avançam no meio do mato equilibrando-se com os braços abertos, um homem acomoda-se inclinando seu tronco sobre um guarda corpo, uma mulher abandona-se descansando sobre uma pedra, dois homens, registrados de frente, celebram sua amizade num abraço mútuo, uma mulher sentada com as pernas desalinhadas surpreendenos pelo feerismo cromático de seu vestido, as linhas verticais exaltadamente coloridas que capturam e alimentam nosso olhar.
Pinturas como essas desaceleram nossa atenção obrigando-a a focar, fazendo com que notemos o alto grau de liberdade que a artista dá às suas pinturas, liberando-as para ir além da simples representação veraz daquilo que se vê. Roxa, rosa, azul, amarela, cada calça ou camisa é pretexto para tramas delicadas, complexas urdiduras de cores, variações de tons que oscilam de soluções intimistas até acabamentos ruidosos. E o que dizer dos espaços onde as figuras se inscrevem, sobretudo aquelas que não se inscrevem em paisagens naturais, como os dois meninos ou a menina solitária com o cabelo encaracolado e os braços colados ao corpo? Estão todos eles suspensos no ar, submersos em atmosferas densas, turvadas por texturas esmaecidas, variadas quanto ao acabamento e matizes tonais.
Há, por certo, uma homologia entre essa compreensão da natureza da pintura e a música, de resto o outro território freqüentado por Loló. E essa constatação se evidencia no modo dela tratar a paisagem, pensando-a sempre como uma massa de timbres, um amálgama de formas e cores. Com seus troncos, galhos e folhagens, as árvores e as massas de vegetação são pretextos para digressões sobre o verde, expansão do horizonte de tons possíveis interrompidos aqui e ali por irrupções de cores contrastantes, associados a uma miríade semelhante de formas, do ritmo frenético de linhas curtas verticais ou horizontais justapostas à vórtices circulares, tudo isso combinado com acontecimentos mais organizados, provenientes de um desejo de ordem. Do mesmo modo superfícies aquáticas e colinas de pedra, cujas sobreposições e transparências sugerem procedimentos próprios a técnica de aquarela, são o álibi para que a pintura se afirme como um modo peculiar de produzir o visível, uma exaltação da certeza de que a linguagem nasce do contato com o mundo mas não se confunde com ele. E talvez resida justamente aí o encanto desencadeado pelas pinturas dessa jovem, que ousam, abordam o familiar para demonstrá-lo como infinito, passível de ser incessantemente renovado.