Fernando Ribeiro

Fernando Ribeiro nasceu em 1965,  natural de São Paulo. Sua identidade com o desenho vem desde os anos iniciais de sua adolescência. E, por influência da obra de Robert Crumb, inicia sua carreira aos 16 anos, na Lynx Film, como arte finalista e participa do longa metragem de animação "Simplex" , ganhando o Leão de Ouro em Cannes. Transfere-se para o Rio de Janeiro e começa a trabalhar no Estúdio Hanna Barbera. Na época estuda com o cartunista Molica na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro. Ao retornar a São Paulo, Fernando Ribeiro é convidado a assumir a criação do tablóide infantil dominical do Diário do Povo.

Aluno do atelier Nelson Leirner, no Rio de Janeiro, tornando-se produtor do artista nos anos seguintes como também seu assistente em exposições nacionais e internacionais. A partir de 1990, dedica-se exclusivamente as Artes Plásticas.

"Déjà Vu" é composta por uma seleção de trabalhos onde Fernando Ribeiro faz pequenas intervenções, delicadas e irônicas, sobre obras de outros artistas, seguindo uma linha histórica dos autores que mais o agradam. As pinturas sobre papel falam do momento atual da arte em que se diz que "tudo já foi feito".

Fernando Ribeiro
1956 – São Paulo, SP.

 

ACERVO INSTITUCIONAL

2009
Museu Salvador Allende, Chile – "Tora ou Iemanjá"
Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil (CCBNB) -- Gravuras da série Déjà Vu (11 serigrafias)

2008
Museu Afro Brasileiro, São Paulo – "Nossa Senhora de Cocacabana"

Exposições Individuais

2016

"Louça Fina" – AM Galeria, Belo Horizonte,MG

"Louça Fina - A arte de Fernando Ribeiro" – Museu Afro Brasil, São Paulo,SP

2009
"Eu vejo,tu olhas...ele Déjà Vu" – Monica Filgueiras Galeria de Arte, São Paulo, SP
De Pollockcow a Déjà Vu – Galeria Bolsa de Arte - Porto Alegre, RS

2007
Déjà Vu - Mônica Filgueiras Galeria de Arte – São Paulo, SP
Amigo Urso e seus Amigos - AM Galeria de Arte – Belo Horizonte, MG.

2006
Limite - Mônica Filgueiras Galeria de Arte – São Paulo, SP
Um Prato é um Prato ou Tanto do Mesmo - Galeria Coluna Vermelha – Rio de Janeiro, RJ

Exposições Coletivas

2009
40a. Chapel Art Show – São Paulo

2008
Ponto de Vista
Galeria Daslu - curadoria Mônica Filgueiras – São Paulo, SP
Diversão e Arte - Galeria do Porto - Angra dos Reis, RJ

2007
Coluna Infinita - Memorial da América Latina – São Paulo, SP
Tupyexxx Mulder – Monica Filgueiras Galeria de Arte - São Paulo, SP

2006
1ª Transversal de São Paulo – São Paulo, SP
Chappel Art Show - São Paulo, SP
Salve a diferença - São Paulo, SP

2005
Nem Magritte, nem Mary Poppins - São Paulo, SP
Art Bresil – Deauville, França

2004
Sala especial Nelson Leirner - Professor Curador – Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP
Verdadeiro ou falso? – Galeria Anna Maria Niemeyer – Rio de Janeiro, RJ

2003
Pocket Ópera Portinari (figurino) – Sesc Ipiranga – São Paulo, SP

2001
Objetos e esculturas –Mônica Filgueiras Galeria de Arte – São Paulo, SP

 

Imagem de Amostra do You Tube

Em sua serie Déjà Vu, Fernando joga com o público um verdadeiro questionário do conhecimento da Historia da Arte. Num primeiro momento desta seleção, sua manipulação bem humorada e inteligente, nos traz a tona ícones da Arte Contemporânea.

Se o espectador olhar para o trabalho "PHARMACY" e não souber quem é Damien Hirst, lhe sobrará ainda o sutil toque que transforma um dos círculos, na figura do Mickey.

Jogar com a sociedade é sempre, para o artista, um desafio gratificante. Fico imaginando um trabalho quase infinito, começando pelos gregos, passando pela Idade Média, Renascentismo e por aí vai.

A astúcia está, também, em você poder dar continuidade à obra de Fernando.

Quantos não gostariam de dizer: "Por que não tive essa idéia?"... e foi assim que apareceu o Ovo de Colombo.
Nelson Leirner
2009

 

 

Diferentes suportes são utilizados pelo artista que se utiliza desta diversidade para criar obras a partir da observação critica do corriqueiro e do banal uma vez que Fernando Ribeiro acredita que "tudo está ai, em suspensão, só que quase ninguém vê."

Em Eu vejo, tu olhas... ele Déjà Vu, o artista mostra uma pintura inédita em acrílica sobre tela, em grandes dimensões, com o diferencial da inclusão de ‘assemblages’. Aqui o artista inova com o principio da transformação de uma obra plana em tridimensional. Fernando Ribeiro, com a licença concedida aos artistas, apropria-se da obra de Velazquez – Las Meninas – inserindo quadros dentro de um quadro.

Outra obra presente é composta por um álbum e uma caixa-objeto de tiragem limitada a 40 exemplares. Este trabalho é composto por uma série de 10 gravuras originais, da série Déjà Vu, com dupla utilização já incluída no seu conceito original: com a composição sugerida com a caixa objeto, que também é uma obra completa por si só, ou cada gravura exposta de forma isolada. Os trabalhos pertencentes ao conjunto também serão mostrados na exposição.
    
Em suportes atuais, um álbum eletrônico, vídeo instalação, exibe imagens das gravuras de forma transmutada, permitindo a visualização, em mídia eletrônica, das imagens que compõe o álbum físico, em sequência randômica.

Suportes tradicionais surgem nos trabalhos da série Déjà Vu como parte de dois objetos em acrílico.

Suportes contemporâneos onde Fernando Ribeiro exibe sua habilidade com as novas mídias, estão presentes nos dois trabalhos compostos por uma pequena tela de plasma portátil, com moldura própria e opção de caixa de sustentação própria.

No momento atual o artista se recria com a utilização de sua série Déjà Vu vista por um novo angulo, posicionando-a em nova etapa. Em fases anteriores, os trabalhos eram executados primeiro em papel, depois gravura. A progressão da série se dá a partir do momento em que a pintura começa a absorver assemblages de outros materiais – alto relevo e também através da subversão da ordem normal das coisas. Acrescente-se a isso, as mídias eletrônicas.

Esse novo approach de sua série Déjà Vu será exibido, em uma exposição individual, no CCBNB - Centro Cultural Banco do Nordeste do Brasil - em fevereiro de 2010.

Fernando Ribeiro define sua mostra: "Uma exposição onde a arte conversa com a arte!"

Déjà Vu – a série

"Déjà Vu" é composta por uma seleção de trabalhos onde Fernando Ribeiro faz pequenas intervenções, delicadas e irônicas, sobre obras de outros artistas, seguindo uma linha histórica dos autores que mais o agradam. As pinturas sobre papel falam do momento atual da arte em que se diz que "tudo já foi feito".

Em seu trabalho, Fernando Ribeiro interfere em obras de artistas consagrados como Marcel Duchamp, Pablo Picasso, Andy Warhol, Miro, Man Ray e os brasileiros Leonilson, Bispo do Rosário e Nelson Leirner, entre outros. "Não agüento mais as pessoas falarem que tudo já foi feito e que a arte está ensimesmada. A ironia é a forma que vi para dizer que mesmo se fazendo o trabalho dos outros a gente pode criar e se divertir", afirma.

Para o artista, o lado divertido da brincadeira é que ao receber o nome "Déjà Vu", a obra toda vira uma provocação impar com um resultado estético belíssimo. "Achei tudo tão interessante que produzi feito um louco, sem achar que fosse virar uma individual em tão pouco tempo. No meio do caminho, percebi que havia uma linha histórica sobre a arte, foi absolutamente instintivo. E vi que isso era bom, pois passava pelos meus prediletos, o que eu também não havia pensado", afirma.

em breve