Amilcar de Castro

Amilcar Augusto Pereira de Castro (Paraisópolis MG 1920 - Belo Horizonte MG 2002). Escultor, gravador, desenhista, diagramador, cenógrafo, professor. Mudou-se com a família para Belo Horizonte em 1935, e estudou na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, de 1941 a 1945. A partir de 1944, frequentou curso livre de desenho e pintura com Guignard (1896 – 1962), na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte, e estudou escultura figurativa com Franz Weissmann (1911 - 2005). Assumiu alguns cargos públicos, que logo abandonou, assim como a carreira de advogado. Paralelamente, em seus trabalhos, deu-se a passagem do desenho para a tridimensionalidade. Em 1952, mudou-se para o Rio de Janeiro e trabalhou como diagramador em diversos periódicos, destacando-se a reforma gráfica que realizou no Jornal do Brasil. Depois de entrar em contato com a obra do suíço Max Bill (1908-1994), realizou sua primeira escultura construtiva, exposta na Bienal Internacional de São Paulo, em 1953. Participou de exposições do grupo concretista, no Rio de Janeiro e em São Paulo, em 1956, e assinou o Manifesto Neoconcreto em 1959. No ano seguinte, participou em Zurique da Mostra Internacional de Arte Concreta, organizada por Max Bill. Em 1968, foi para os Estados Unidos, conjugando bolsa de estudo da Guggenheim Memorial Foundation com o prêmio de viagem ao exterior obtido na edição de 1967 do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). De volta ao Brasil, em 1971, fixou residência em Belo Horizonte. Tornou-se professor de composição e escultura da Escola Guignard, na qual trabalhou até 1977, inclusive como diretor. Lecionou na Faculdade de Belas Artes da UFMG, entre as décadas de 1970 e 1980. Em 1990, aposentou-se da docência e passou a dedicar-se com exclusividade à atividade artística.

8/6/1920 Paraisópolis, MG – 21/11/2002- Belo Horizonte MG

Formação

 1941/1945 - Belo Horizonte MG - Cursa direito na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG

1944/1950 - Belo Horizonte MG - Estuda desenho e pintura com  Guignard (1896-1962), na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte

1944/1950 - Belo Horizonte MG - Estuda escultura figurativa com Franz Weissmann (1911-2005), na Escola de Arquitetura e Belas Artes

1968/1971 - New Jersey (Estados Unidos) - Recebe bolsa de estudo da John Simon Guggenheim Memorial Foundation

 

Cronologia

 Escultor, gravador, desenhista, diagramador, cenógrafo, professor 

 1935/1951 - Belo Horizonte MG - Vive nessa cidade

1948 - Belo Horizonte MG - Torna-se chefe de gabinete da Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais

1949 - Belo Horizonte MG - É indicado como tesoureiro do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

1952/1968 - Rio de Janeiro RJ - Vive nessa cidade

1952 - Rio de Janeiro RJ - Trabalha no escritório carioca do Departamento do Café de Minas Gerais

1952/1968 - Rio de Janeiro RJ - Atua como diagramador nas revistas A Cigarra e Manchete

1957/1959 - Rio de Janeiro RJ - Inicia projeto de reforma gráfica do Jornal do Brasil

1959 - Rio de Janeiro RJ - Assina o Manifesto Neoconcreto, com Ferreira Gullar (1930), Franz Weissmann, Lygia Pape (1927-2004), Lygia Clark (1920-1988), Reynaldo Jardim e Theon Spanudis

1960/1970 - Rio de Janeiro RJ e Belo Horizonte MG - Diagramador dos jornais Diário Carioca, Última Hora, Estado de Minas e Diário de Minas

1963 - Rio de Janeiro RJ - Realiza cenografia para enredo da Escola de Samba Mangueira. É auxiliado pelo escultor Jackson Ribeiro e por Hélio Oiticica (1937 - 1980)

1967 - Recebe o prêmio de viagem ao estrangeiro concedido no 17º Salão Nacional de Arte Moderna

1968 - Recebe bolsa da Fundação Guggenheim

1968/1971 - Nova Jersey (Estados Unidos) - Vive nessa cidade

1971 - Rio de Janeiro RJ-  Retorna ao Brasil e vive por pouco tempo no Rio de Janeiro

1971 - Belo Horizonte MG -  Fixa residência definitiva

1971/1977 - Belo Horizonte MG - Leciona composição, escultura e desenho na Escola Guignard, da qual mais tarde se torna diretor

1973/1990 - Belo Horizonte MG - Leciona composição, escultura, desenho e teoria da forma na Faculdade de Belas Artes da UFMG

1977 - Belo Horizonte MG - Restringe suas atividades didáticas apenas à Faculdade de Belas Artes da UFMG

1984 - Contagem MG - Participa do projeto da Escola de Artes e Ofícios de Contagem, destinada a estudantes pobres. O projeto não é levado adiante pelas autoridades municipais

1987 - Madri (Espanha) - Representa o Brasil no Projeto Esculturas Latino-Americanas

1988 - Rio de Janeiro RJ - Escreve texto para a exposição de Fani Bracher (1947) intitulada Pinturas 1987/1988, na Galeria Bonino

1991 - Belo Horizonte MG - Volta a pintar e inicia experiências de escultura em cerâmica

2001 - São Paulo SP - Recebe o prêmio de melhor exposição do ano da Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acervos

Instituto Itaú Cultural - São Paulo SP
Instituto de Arte Contemporânea Amílcar de Castro
Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) - São Paulo SP 
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) - Rio de Janeiro RJ 
Museu de Dom Silvério
Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) - Rio de Janeiro RJ
Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pesp) - São Paulo SP

Exposições Individuais

1969 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Kornblee Gallery

1970 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, no Convent of Jesus Sacred Heart

1978 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: desenhos, no Gabinete de Artes Gráficas

1979 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no MAM/RJ

1980 - Rio de Janeiro RJ - Amilcar de Castro: desenhos e litografias, na Galeria Gravura Brasileira

1980 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1981 - Belo Horizonte MG - Individual, na Gesto Gráfico Galeria de Arte

1982 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1983 - Belo Horizonte MG - Individual, na Gesto Gráfico Galeria de Arte

1983 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn

1985 - Belo Horizonte MG - Individual, na Gesto Gráfico Galeria de Arte

1985 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn

1986 - Ouro Preto MG - Amilcar de Castro: desenhos e esculturas, no Museu da Inconfidência

1986 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Paulo Klabin

1986 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1987 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria de Arte Fernando Paz

1987 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria de Arte Lucchesi

1987 - Belo Horizonte MG - Individual, na Itaugaleria

1987 - Belo Horizonte MG - Individual, na Lucchesi Galeria de Arte

1987 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: desenhos e esculturas, na Unidade II da Galeria de Arte

1988 - Brasília DF - Amilcar de Castro: desenhos, esculturas e gravuras, no Espaço Capital Arte Contemporânea

1988 - Ribeirão Preto SP - Amilcar de Castro: retrospectiva, no Ribeirão Preto Promoções de Artes Plásticas

1988 - São Paulo SP - Individual, na Galeria de Arte Paulo Vasconcellos

1989 - Belo Horizonte MG - Individual, na Gesto Gráfico Galeria de Arte

1989 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Paço Imperial

1989 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: esculturas, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1989 - Tóquio (Japão) - Individual, no Hara Museum of Contemporary Art

1990 - Belo Horizonte MG - Individual, na Galeria Novo Tempo

1990 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Thomas Cohn

1990 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: o espaço do artista quando jovem, no Paço das Artes

1991 - Belo Horizonte MG - Individual, no Cemig. Espaço Cultural Galeria de Arte

1991 - Belo Horizonte MG - Individual, no Fernando Pedro Escritório de Arte

1992 - Belo Horizonte MG - Manoel Macedo Galeria de Arte: 10 Anos: Amilcar de Castro, na Manoel Macedo Galeria de Arte

1992 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1993 - Niterói RJ - Amilcar de Castro: desenhos e esculturas, na Galeria de Arte Universidade Federal Fluminense

1993 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1994 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: desenhos e esculturas, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1996 - Buenos Aires (Argentina) - Un Exponente del Concretismo Brasileño, na Galeria Portinari

1996 - Florianópolis SC - Amilcar de Castro: desenhos, gravuras e maquetes, no Museu Victor Meirelles

1996 - Recife PE - Amilcar de Castro: esculturas e desenhos, no Mamam

1997 - Curitiba PR - Individual, na Ybakatu Espaço de Arte

1998 - Goiânia GO - Individual, na Fundação Jaime Câmara

1998 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Palácio Gustavo Capanema

1998 - São Paulo SP - Individual, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1999 - Belo Horizonte MG - Individual, na Kolams Galeria de Arte

1999 - Recife PE - Amilcar de Castro: esculturas e desenhos, no MAMAM

1999 - Rio de Janeiro RJ - Amilcar de Castro: esculturas e desenhos, no Centro de Artes Hélio Oiticica

2000 - Belo Horizonte MG - Individual, na Kalil e Lauar Galeria de Arte

2000 - São Paulo SP - Amilcar de Castro: 80 anos, na Galeria Thomas Cohn

2001 - São Paulo SP - Individual, na Galeria Thomas Cohn

2001 - São Paulo SP - Individual, na Pinacoteca do Estado

2002 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Silvia Cintra Galeria de Arte

2002 - Rio de Janeiro RJ - Individual, no Armazém do Rio

Exposições Coletivas

1947 - Rio de Janeiro RJ - 53º Salão Nacional de Belas Artes, no MNBA - medalha de bronze em desenho

1951 - Salvador BA - 3º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Belvedere da Sé - medalha de bronze em escultura

1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados

1955 - Salvador BA - Salão Nacional de Arte Moderna da Bahia - 1º prêmio em escultura

1956 - São Paulo SP - 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/SP

1957 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM/RJ

1959 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MAM/RJ

1959 - Salvador BA - 1ª Exposição de Arte Neoconcreta, no Galeria Belvedere da Sé

1960 - Belo Horizonte MG - 15º Salão de Belas Artes da Cidade de Belo Horizonte, no MAP - 1º prêmio em escultura

1960 - Rio de Janeiro RJ - 2ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MEC

1960 - Rio de Janeiro RJ - 9º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ - medalha de prata em escultura

1960 - Zurique (Suíça) - Konkrete Kunst, na Helmhaus

1961 - São Paulo SP - 3ª Exposição de Arte Neoconcreta, no MAM/SP

1961 - São Paulo SP - 6ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho

1962 - Belo Horizonte MG - 17º Salão de Belas Artes da Cidade de Belo Horizonte, no MAP - 1º prêmio em escultura

1965 - São Paulo SP - 8ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1966 - Buenos Aires (Argentina) - Artistas Brasileiros Contemporâneos, no Museo de Arte Moderno

1966 - Montevidéu (Uruguai) - Artistas Brasileiros Contemporâneos, no Museu de Arte Moderna de Montevidéu

1967 - Rio de Janeiro RJ - 16º Salão Nacional de Arte Moderna

1970 - Nova York (Estados Unidos) - Exposição, no Convent Jesus Sacrat Hart

1972 - São Paulo SP - 4º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1972 - São Paulo SP - Arte/Brasil/Hoje: 50 anos depois, na Galeria da Collectio

1972 - São Paulo SP - Múltiplos Brasileiros, na Galeria Múltipla de Arte

1974 - Belo Horizonte MG - 6º Salão Nacional de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, no MAP - grande prêmio em escultura

1974 - Belo Horizonte MG - Grande Prêmio de Escultura, no MAP

1976 - Campinas SP - 10º Salão de Arte Contemporânea de Campinas, no MACC

1977 - Rio de Janeiro RJ - Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, no MAM/RJ

1977 - São Paulo SP - 9º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP - grande prêmio em desenho

1977 - São Paulo SP - Projeto Construtivo Brasileiro na Arte: 1950-1962, na Pinacoteca do Estado

1978 - Rio de Janeiro RJ - 3ª Arte Agora: América Latina, geometria sensível, no MAM/RJ

1978 - São Paulo SP - 10º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP - grande prêmio em escultura

1979 - Cidade do México (México) - Bienal de Desenho e Gravura

1979 - São Paulo SP - 15ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1980 - São Paulo SP - Amilcar de Castro, Lygia Clark, Sérgio de Camargo e Franz Weissmann, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1981 - Belo Horizonte MG - 13º Salão Nacional de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, no MAP - Grande Prêmio Prefeitura de Belo Horizonte

1981 - Belo Horizonte MG - 8º Salão Global de Inverno, no Fundação Palácio das Artes

1981 - Belo Horizonte MG - Alunos de Guignard, na Itaugaleria

1981 - Belo Horizonte MG - Arte Mineira em Destaque, no Fundação Palácio das Artes

1981 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Global de Inverno, no MAM/RJ

1981 - São Paulo SP - 13º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1981 - São Paulo SP - 8º Salão Global de Inverno, no Masp

1981 - São Paulo SP - Artistas Contemporâneos Brasileiros, na Galeria de Arte São Paulo

1982 - Rio de Janeiro RJ - Contemporaneidade: homenagem a Mário Pedrosa, no MAM/RJ

1982 - Rio de Janeiro RJ - Que Casa é essa da Arte Brasileira

1982 - São Paulo SP - Um Século de Escultura no Brasil, no Masp

1983 - Rio de Janeiro RJ - 13 Artistas/13 Obras, na Thomas Cohn Arte Contemporânea

1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ

1983 - São Paulo SP - Imaginar o Presente, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1984 - Belo Horizonte MG - 1º Salão de Artes Visuais da Fundação Clóvis Salgado, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes

1984 - Rio de Janeiro RJ - Neoconcretismo 1959-1961, na Galeria de Arte Banerj

1984 - São Paulo SP - 10 Artistas Mineiros, no MAC/USP

1984 - São Paulo SP - A Cor e o Desenho do Brasil, no MAM/SP

1984 - São Paulo SP - Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP

1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal

1985 - Niterói RJ - Uma Questão de Ordem, na UFF. Galeria de Arte

1985 - Porto Alegre RS - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no Margs

1985 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ

1985 - Rio de Janeiro RJ - Encontros, na Petite Galerie

1985 - Rio de Janeiro RJ - Velha Mania: desenho brasileiro, na EAV/Parque Lage

1985 - São Paulo SP - 16º Panorama da Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1985 - São Paulo SP - Destaques da Arte Contemporânea Brasileira, no MAM/SP

1986 - Brasília DF - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no Teatro Nacional Cláudio Santoro

1986 - Fortaleza CE - 1ª Exposição Internacional de Esculturas Efêmeras, na Fundação Demócrito Rocha

1986 - Porto Alegre RS - Coleção Rubem Knijnik: arte brasileira anos 60/70/80, no Margs

1986 - Rio de Janeiro RJ - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no MAM/RJ

1986 - Rio de Janeiro RJ - JK e os Anos 50: uma visão da cultura e do cotidiano, na Galeria Investiarte

1986 - São Paulo SP - Iberê Camargo: trajetória e encontros, no MAM/SP

1987 - Madri (Espanha) - Escultura Latino-Americana

1987 - Paris (França) - Modernidade: arte brasileira do século XX, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris

1987 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Abstração Geométrica: concretismo e neoconcretismo, na Funarte. Centro de Artes

1987 - Rio de Janeiro RJ - Abstracionismo Geométrico e Informal: aspectos da vanguarda brasileira dos anos 50, na Funarte

1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ

1987 - São Paulo SP - 18º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1987 - São Paulo SP - 19ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1987 - São Paulo SP - 1ª Abstração Geométrica: concretismo e neoconcretismo, no MAB/Faap

1988 - Nova York (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no The Bronx Museum of the Arts

1988 - Ribeirão Preto SP - Lívio Abramo, Iberê Camargo e Amilcar de Castro, na Casa da Cultura de Ribeirão Preto

1988 - São Paulo SP - 19º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1988 - São Paulo SP - Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP

1988 - São Paulo SP - Os Ritmos e as Formas: arte brasileira contemporânea, no Sesc Pompéia

1989 - Copenhague (Dinamarca) - Os Ritmos e as Formas: arte brasileira contemporânea, no Museu Charlottenborg

1989 - El Paso (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no El Paso Museum of Art

1989 - Rio de Janeiro RJ - Rio Hoje, no MAM/RJ

1989 - San Diego (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no San Diego Museum of Art

1989 - San Juan (Porto Rico) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States: 1920-1970, no Instituto de Cultura Puertorriqueña

1989 - São Paulo SP - 10 Escultores, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal

1989 - São Paulo SP - Gesto e Estrutura, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1990 - Atami (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea

1990 - Brasília DF - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea

1990 - Brasília DF - Prêmio Brasília de Artes Plásticas, no Museu de Arte de Brasília

1990 - Miami (Estados Unidos) - The Latin American Spirit: art and artists in the United States, 1920-1970, no Center for the Fine Arts Miami Art Museum of Date

1990 - Rio de Janeiro RJ - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea

1990 - São Paulo SP - 21º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1990 - São Paulo SP - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea, na Fundação Brasil-Japão

1990 - São Paulo SP - Coerência - Transformação, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1990 - Sapporo (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea

1990 - Tóquio Atami (Japão) - 9ª Exposição Brasil-Japão de Arte Contemporânea

1991 - São Paulo SP - 22º Panorama de Arte Atual Brasileira, no MAM/SP

1991 - São Paulo SP - Abstracionismo Geométrico e Informal: aspectos da vanguarda brasileira dos anos 50, na Pinacoteca do Estado

1991 - Uberlândia MG - Escultura, na Universidade Federal de Uberlândia

1992 - Belo Horizonte MG - Ícones da Utopia, na Fundação Palácio das Artes

1992 - Curitiba PR - 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba/Mostra América, no Museu da Gravura

1992 - Niterói RJ - Galeria de Arte UFF: 10 Anos, na UFF. Galeria de Arte

1992 - Rio de Janeiro RJ - Brazilian Contemporary Art, na EAV/Parque Lage

1992 - Rio de Janeiro RJ - Coca-Cola 50 Anos com Arte, no MAM/RJ

1992 - Rio de Janeiro RJ - Escultura 92: sete expressões, na Espaço RB1

1992 - Santo André SP - Litogravura: métodos e conceitos, no Paço Municipal

1992 - São Paulo SP - Coca-Cola 50 Anos com Arte, no MAM/SP

1992 - Zurique (Suíça) - Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, no Kunsthaus Zürich

1993 - Belo Horizonte MG - 4 x Minas, no Palácio das Artes

1993 - Rio de Janeiro RJ - 4 x Minas, no MAM/RJ

1993 - Rio de Janeiro RJ - Brasil, 100 Anos de Arte Moderna, no MNBA

1993 - Rio de Janeiro RJ - Gravuras de Amilcar de Castro, Antonio Dias, Iberê Camargo e Sérgio Fingermann, na EAV/Parque Lage

1993 - Salvador BA - 4 x Minas, no MAM/BA

1993 - São Paulo SP - 4 x Minas, no Masp

1994 - Belo Horizonte MG - Guignard: 50 anos de uma escola de arte, na Galeria Vidyã

1994 - Ouro Preto MG - A Identidade Virtual, no Museu da Inconfidência

1994 - Rio de Janeiro RJ - Precisão, no CCBB

1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal

1995 - Belo Horizonte MG - Imagem Derivada: um olhar acerca do desdobramento da gravura hoje, no MAP

1995 - Londrina PR - Arte Brasileira: confrontos e contrastes, no Pavilhão Internacional Octávio Cesário Pereira Júnior

1995 - São Paulo SP - Entre o Desenho e a Escultura, no MAM/SP

1995 - São Paulo SP - Morandi no Brasil, no CCSP

1996 - Belo Horizonte MG - A Cidade e o Artista: dois centenários, no BDMG Cultural

1996 - Belo Horizonte MG - Consolidação da Modernidade em Belo Horizonte, no MAP

1996 - Belo Horizonte MG - Influência Poética: dez desenhistas contemporâneos, Amilcar de Castro e Mira Schendel, na Fundação Palácio das Artes

1996 - Brasília DF - Arte e Espaço Urbano: quinze propostas, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio Itamaraty

1996 - Brasília DF - Quatro Mestres Escultores Brasileiros Contemporâneos, no Ministério das Relações Exteriores. Palácio Itamaraty

1996 - Paris (França) - Deux Artistes Bresiliens, na Galerie Debret

1996 - Porto Alegre RS - 1ª Sesc Escultura: exposição internacional de esculturas ao ar livre, no Sesc Campestre

1996 - Rio de Janeiro RJ - Influência Poética: dez desenhistas contemporâneos, Amilcar de Castro e Mira Schendel, no Paço Imperial

1996 - São Paulo SP - 1ª Off Bienal, no MuBE

1996 - São Paulo SP - Desexp(l)os(ign)ição, na Casa das Rosas

1996 - São Paulo SP - Esculturas Urbanas, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

1997 - Contagem MG - Alunos de Guignard em Contagem, na Casa de Cultura Nair Mendes Moreira

1997 - Curitiba PR - A Arte Contemporânea da Gravura, no Museu Metropolitano de Arte de Curitiba

1997 - Porto Alegre RS - 1ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, na Aplub; na Casa de Cultura Mário Quintana; na DC Navegantes; na Edel; na Usina do Gasômetro; no Instituto de Artes da UFRGS; na Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul; no Margs; no Espaço Ulbra; no Museu de Comunicação Social; na Reitoria da UFRGS e no Theatro São Pedro

1997 - Porto Alegre RS - Imaginário Objetual, nas Oficinas do Deprec; no Depósito da Marinha; no Parque da Marinha do Brasil e em espaços públicos da cidade

1997 - Porto Alegre RS - Vertente Construtiva e Design, no Espaço Cultural Ulbra

1997 - São Paulo SP - Diversidade da Escultura Contemporânea Brasileira, na Avenida Paulista

1997 - São Paulo SP - Escultura Brasileira: perfil de uma identidade, no Banco Safra

1997 - São Paulo SP - Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural

1997 - Washington (Estados Unidos) - Escultura Brasileira: perfil de uma identidade, no Centro Cultural do BID

1998 - Belo Horizonte MG - Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, no Itaú Cultural

1998 - Brasília DF - Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural

1998 - Penápolis SP - Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, na Galeria Itaú Cultural

1998 - Rio de Janeiro RJ - 16º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ

1998 - Rio de Janeiro RJ - Pensar Gráfico: a gravura da linguagem, no Paço Imperial

1998 - São Paulo SP - Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/SP

1998 - São Paulo SP - O Colecionador, no MAM/SP

1998 - São Paulo SP - Os Colecionadores - Guita e José Mindlin: matrizes e gravuras, na Galeria de Arte do Sesi

1998 - São Paulo SP - Teoria dos Valores, no MAM/SP

1999 - Florianópolis SC - Desenhos e Gravuras: Acervo MVM - 1994 a 1999, no Museu Victor Meirelles

1999 - Rio de Janeiro RJ - Arte Construtiva no Brasil: Coleção Adolpho Leirner, no MAM/RJ

1999 - São Paulo SP - 26º Panorama de Arte Brasileira, no MAM/SP

1999 - São Paulo SP - Cotidiano/Arte. O Consumo, no Itaú Cultural

1999 - São Paulo SP - Litografia: fidelidade e memória, no Espaço de Artes Unicid

2000 - Belo Horizonte MG - Belo Horizonte-Leiria: um encontro de culturas, na Fundação Clóvis Salgado. Companhia de Dança de Minas Gerais

2000 - Belo Horizonte MG - Presente de Reis, na Kolams Galeria de Arte

2000 - Colchester (Inglaterra) - Outros 500: highlights of brazilian contemporary art in UECLAA, na Art Gallery - University of Essex

2000 - Curitiba PR - 12ª Mostra da Gravura de Curitiba. Marcas do Corpo, Dobras da Alma

2000 - Fortaleza CE - 26º Panorama de Arte Brasileira, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

2000 - Leiria (Portugal) - Belo Horizonte-Leiria: um encontro de culturas, na Galeria 57 - arte contemporânea

2000 - Lisboa (Portugal) - Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão

2000 - Niterói RJ - 26º Panorama de Arte Brasileira, no MAC/Niterói

2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal

2000 - São Paulo SP - Cerâmica Brasileira: construção de uma linguagem, no Centro Brasileiro Britânico

2000 - São Paulo SP - Escultura Brasileira: da Pinacoteca ao Jardim da Luz, na Pinacoteca do Estado

2000 - São Paulo SP - Investigações: A Gravura Brasileira, no Itaú Cultural

2000 - São Paulo SP - O Papel da Arte, na Galeria de Arte do Sesi

2001 - Belo Horizonte MG - Modernismo em Minas: ícones referenciais, no Itaú Cultural

2001 - Brasília DF - Investigações. A Gravura Brasileira, no Galeria Itaú Cultural

2001 - Nova Lima MG - Allen Roscoe, Amilcar de Castro, Pedro de Castro, Rodrigo de Castro, Thais Helt, no Ateliê de Amilcar de Castro

2001 - Penápolis SP - Investigações. A Gravura Brasileira, na Galeria Itaú Cultural

2001 - Penápolis SP - Modernismo em Minas: ícones referenciais, na Galeria Itaú Cultural

2001 - Porto Alegre RS - Coleção Liba e Rubem Knijnik: arte brasileira contemporânea, no Margs

2001 - Rio de Janeiro RJ - A Imagem do Som de Antônio Carlos Jobim, no Paço Imperial

2001 - Rio de Janeiro RJ - Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no Paço Imperial

2001 - Rio de Janeiro RJ - O Espírito de Nossa Época, no MAM/RJ

2001 - São Paulo SP - Espelho Cego: seleções de uma coleção contemporânea, no MAM/SP

2001 - São Paulo SP - O Espírito de Nossa Época, no MAM/SP

2001 - São Paulo SP - Trajetória da Luz na Arte Brasileira, no Itaú Cultural

2002 - Fortaleza CE - Ceará Redescobre o Brasil, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

2002 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB

2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial

2002 - Rio de Janeiro RJ - Paralelos: arte brasileira da segunda metade do século XX em contexto, Collección Cisneros, no MAM/RJ

2002 - São Paulo SP - A Linha Como Estrutura da Forma, no MAM/SP

2002 - São Paulo SP - Amilcar de Castro e Cinco Artistas Mineiros, na Marília Razuk Galeria de Arte

2002 - São Paulo SP - Coleção Metrópolis de Arte Contemporânea, na Pinacoteca do Estado

2002 - São Paulo SP - Coletiva 2002, na Galeria Baró Senna

2002 - São Paulo SP - Espelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky, no MAM/SP

2002 - São Paulo SP - Geométricos e Cinéticos, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

2002 - São Paulo SP - O Plano como Estrutura da Forma, no MAM/SP

2002 - São Paulo SP - Paralelos: arte brasileira da segunda metade do século XX em contexto, Colección Cisneros, no MAM/SP

Exposições Póstumas

2002 - Brasília DF - Fragmentos a Seu Ímã, no Espaço Cultural Contemporâneo Venâncio

2002 - Brasília DF - JK - Uma Aventura Estética, no Conjunto Cultural da Caixa

2002 - São Paulo SP - 10 Anos Marília Razuk, na Marília Razuk Galeria de Arte

2002 - São Paulo SP - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB

2002 - São Paulo SP - Coletiva AAA, na Galeria Baró Senna

2002 - São Paulo SP - Imagem e Identidade: um olhar sobre a história na coleção do Museu de Belas Artes, no Instituto Cultural Banco Santos

2002 - São Paulo SP - Múltiplos Brasileiros 30 Anos Depois, na Multipla de Arte

2003 - Brasília DF - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB

2003 - Cidade do México (México) - Cuasi Corpus: arte concreto y neoconcreto de Brasil: una selección del acervo del Museo de Arte Moderna de São Paulo y la Colección Adolpho Leirner, no Museo Rufino Tamayo

2003 - Iowa City (Estados Unidos) - Layers of Brazilian Art, na Faulconer Gallery

2003 - Rio de Janeiro RJ - Autonomia do Desenho, no MAM/RJ

2003 - Rio de Janeiro RJ - Ordem x Liberdade, no MAM/RJ

2003 - Rio de Janeiro RJ - Projeto Brazilianart, na Almacén Galeria de Arte

2003 - Rio de Janeiro RJ - Projeto em Preto e Branco, na Silvia Cintra Galeria de Arte

2003 - São Paulo SP - A Gravura Vai Bem, Obrigado: a gravura histórica e contemporânea brasileira, no Espaço Virgílio

2003 - São Paulo SP - Construtivismo e a Forma como Roupa, no MAM/SP

2003 - São Paulo SP - Corte e Dobra, na Marília Razuk Galeria de Arte

2003 - São Paulo SP - Escultores - Esculturas, na Pinakotheke

2003 - São Paulo SP - Papel e Tridimensional, na Arvani Arte

2003 - Vila Velha ES - O Sal da Terra, no Museu Vale do Rio Doce

2004 - Belo Horizonte MG - Pampulha, Obra Colecionada: 1943-2003, no MAP

2004 - Rio de Janeiro RJ - 30 Artistas, no Mercedes Viegas Escritório de Arte

2004 - São Paulo SP - Arte Contemporânea no Acervo Municipal, no CCSP

2004 - São Paulo SP - Arte Contemporânea no Ateliê de Iberê Camargo, no Centro Universitário Maria Antonia

2005 - Belo Horizonte MG - 40/80: uma mostra de arte brasileira, na Léo Bahia Arte Contemporânea

2005 - Rio de Janeiro RJ - Soto: a construção da imaterialidade, no CCBB

2005 - Porto Alegre RS - Amilcar de Castro: uma retrospectiva

2005 - São Paulo SP - Trajetória/Trajetórias, no Gabinete de Arte Raquel Arnaud

Fonte: Itaú Cultural, FGV CPDOC

"Em texto de 1983, escrevi que a poética da escultura de Amilcar se funda no diálogo entre o corte e a dobra. Fosse apenas corte e sua escultura seria um objeto fendido. Manifestação de sua autoridade sobre a matéria bruta: rasgo, ferida, um ato de violência. Ao associar o corte à dobra, o artista introduz um elemento poético em sua escultura. No corte, o ferro, mesmo ferido, é passivo. Com a dobra, ele resiste, impõe sua presença. O corte é a reta, o plano apenas sugerido. A dobra é a curva, o plano se faz espaço. Organismo vivo. O corte separa, a dobra amacia. O corte é uma operação sem retorno, como aquele sulco que o lápis duro faz no papel. Passou, ficou. A dobra é virtual, latente, é algo que não se completou. O corte é espaço, a dobra é tempo. Corte-dobra = espaço-tempo. Sua escultura é puro espaço, como o desenho é a linha e a pintura, cor. Íntegra, inteiriça, ela não precisa de nenhum apoio exterior. Colas, soldas, parafusos, rebites, dobradiças, armações, nós, laços, tirantes, estruturas internas, sua escultura dispensa tudo isso ou qualquer outro recurso mecânico para colocar-se de pé. E não pede a participação lúdica do espectador. Apenas contemplação. E silêncio". [ Frederico Morais ]

"Amilcar de Castro entende suas litografias como desenhos velocíssimos: não propõe para elas nenhum mistério, sendo a arte cotidiana. Interpreta a litografia nas proximidades não só do projeto, mas também da escultura realizada. Comparando-se o desenho com a dobra da escultura, pensa-se que suas litografias sejam interpretáveis como épuras, nas quais o gesto irregularmente aplicado do pincel descreve zonas nas quais se engastam formas regulares dotadas de uma única cor. Tendo a valência do engaste cromático de Thais [Helt], o de Amilcar dele difere pelo geometrismo. Este, feito com régua, funciona como a dobra da escultura, remetendo as duas artes a um conceito excludente de mistérios, o de épura, na medida em que nela as partes ocultas estão presentes graças à transparência do tracejamento. A interpretação escultórica da litografia propõe a hipótese de que a dobra e a ferrugem da escultura são os interpretantes da figura geométrica e do gesto livre, respectivamente. Na analogia, o irregular emoldura o regular, como o banal, o precioso: a ferrugem envolve e valoriza a obra".  [Leon Kossovitch e Mayra Laudanna]

Amilcar de Castro e a coerência do método, MAM - Rio de Janeiro 2015

Amílcar de Castro e a coerência do método por Paulo Sergio Duarte, 2015

Retrospectiva de Amilcar de Castro no MAM Rio, 2015

MAM apresenta retrospectiva de Amilcar de Castro, 2015

O Museu dos Correios, em Brasília, apresenta a exposição Possibilidades Geométricas, 2015

Amilcar de Castro – Repetição e Síntese, CCBB - Belo Horizonte 2013

Amilcar de Castro - Estudos e Obras, Museu Belas Artes de São Paulo (MUBA) 2013