julho/2015

leonoraweissmann2-autorretratocomtheo
27/07/2015

Leonora Weissmann na coletiva “Álbum de Família”

 

leonoraweissmann2-autorretratocomtheo

Coletiva “Álbum de família” reúne obras emblemáticas

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica inaugura no dia 1° de agosto, a exposição “Álbum de família”, com cerca de quarenta trabalhos (entre pinturas, objetos, fotografias, desenhos, videoinstalações, instalações sonoras e filmes) de mais de vinte artistas brasileiros e estrangeiros. Com curadoria de Daniella Géo, a coletiva reflete sobre a família e suas questões, como um tema permanente da produção artística, e será acompanhada ainda de um seminário transdisciplinar nos dias 25, 26 e 27 de agosto.

“A exposição vem em um momento em que o conceito de família é revisto, em que se elaboram novas leis relativas a relações homoafetivas e à adoção, em que aumentam as denúncias de violência sexual doméstica, em que surgem mais asilos particulares e, consequentemente, mais idosos são privados do convívio familiar, e em que, paralelamente, grupos conservadores procuram manter intacto a imagem e o modelo tradicional de família”, observa a curadora.

Desde diferentes configurações ao ideário matrimonial, passando pelo abuso de poder e violência doméstica, até a família como construção política, a exposição aborda ainda laços familiares, amor e noção de coesão à ausência, perda e solidão; espaço íntimo e dimensão pública; mito e estereótipos, e de como a sociedade afeta e é afetada pelas famílias.

Estão na exposição obras de nove artistas brasileiros – Adriana Varejão, Anna Bella Geiger, Dias & Riedweg, Fabio Morais, Jonathas de Andrade, Leonora Weissmann, No olho da rua 1995 > 2015 (Julian Germain, Murilo Godoy, Patricia Azevedo e jovens que vivem nas ruas de Belo Horizonte), Ricardo Basbaum, Rosana Palazian e Rosângela Rennó, e trabalhos dos artistas Bill Viola (1951, Nova York, EUA), Daniel W. Coburn (Lawrence, Kansas, EUA), Candice Breitz (1972, Johannesburg, África do Sul), Charif Benhelima (1967, Bruxelas), Gillian Wearing (1963, Birmingham, Inglaterra), Michel Journiac (1935-1995, Paris), Richard Billingham (1970, Birmingham Inglaterra), Santu Mofokeng (1956, Soweto, África do Sul), Sue Williamson (1941, Lichfield, Inglaterra), Tracey Rose (1974, Durban, África do Sul), Victor Burgin (1941, Sheffield, Inglaterra), e Zanele Muholi (1972, Umlazi, Durban).

 

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica 

Rua Luís de Camões, 68.

Entrada gratuita.

Até 19 de setembro de 2015.

images

11174762_995262590505496_8492194160627333131_n
24/07/2015

Maria Lira no Centro de Arte Popular CEMIG

O Centro de Arte Popular – Cemig, inaugurou dia 23 de julho a exposição Bichos do Sertão, de Maria Lira. Na abertura a artista entoou cânticos populares, acompanhada por Frei Chico ao violão.

A mostra apresenta ao público uma seleção de 51 trabalhos da última e atual fase da mineira, pertencentes a colecionadores particulares e selecionadas especialmente para a exposição.

Bichos do Sertão tem entrada gratuita, e ficará em exposição até o dia 13 de setembro de 2015, na Sala de Exposições Temporárias do Centro de Arte Popular – Cemig.

Informações: [31] 3222-3231

11042939_996276323737456_8365015232500808714_n 11058321_995778440453911_4260279249010230977_n  11709985_996276247070797_4604423683097470244_o  11752384_995778343787254_3454156417641174243_n 11753671_1002447626453659_2124318838339366738_n

11738024_995778450453910_6099781187259989815_n

 

 

11666043_856930207731497_5646337026381139807_n
14/07/2015

Delson Uchôa na mostra “Ficções”

Acesse aqui o catálogo virtual da mostra!

Até 6 de setembro, a Caixa Cultural Rio de Janeiro apresenta Ficções, exposição inspirada em livro homônimo do escritor argentino Jorge Luis Borges (1899-1986), lançado em 1944. Com curadoria de Daniela Name, a mostra abriga 40 obras, entre pinturas, instalações, vídeos e outros suportes e linguagens, feitas por 33 artistas brasileiros.

Em texto de apresentação de Ficções, Name comenta: “Recursos narrativos como a alegoria são muito importantes quando o assunto é arte brasileira. Esta é uma mostra formada a partir das encruzilhadas entre a arte contemporânea e a literatura, o cinema, o teatro e a música, entre outras linguagens. Em nenhum momento estamos ilustrando o livro de contos”, afirma Daniela Name.

Entre os trabalhos expostos, destaque para a kombi batizada de Catarina, instalação que integra a obra Fala dos Confins, de Virginia de Medeiros. As esculturas Bichos-da-seda, de Delson Uchôa, ocupam o caminho do visitante até o segundo piso da Caixa Cultural, onde ficam criações como Lista de Coisas Brancas, de Raquel Stolf, e uma instalação de Andrey Zignnatto, feita com tijolos, entre outros.

A lista de artistas participantes tem ainda Adriana Varejão, Alessandro Sartore, Ana Miguel, Ayrson Heráclito, Barrão, Daniel Lannes, Elisa Castro, Guilherme Dable, Ismael Monticelli, Jozias Benedicto, José Rufino, Julia Debasse, Lia Chaia, Lourival Cuquinha, Luiz Zerbini, Marcelo Moscheta, Marilá Dardot, Mayana Redin, Marcone Moreira, Marcos Chaves, Mario Grisolli, Nazareno, @Desdicionário (Daniela Belmiro), Nino Cais, Pedro Varela, Raquel Stolf, Reginaldo Pereira, Rosana Ricalde, Rosângela Rennó e Vitor Mizael.

Veja aqui entrevista com a curadora Daniela Name.

Veja aqui vídeo sobre a mostra.

11665432_854110641346787_4180133468130513770_n

10995620_853882041369647_3431133834871755642_n